Página 1 dos resultados de 303 itens digitais encontrados em 0.039 segundos

‣ Análise da distribuição espacial da mortalidade neonatal e de fatores associados, em Salvador, Bahia, Brasil, no período 2000-2006; Spatial analysis of neonatal mortality and associated factors in Salvador, Bahia State, Brazil, 2000-2006

Gonçalves, Annelise de Carvalho; Costa, Maria Conceição Oliveira; Braga, José Uéleres
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
88.83127%
Realizou-se estudo de agregados espaciais visando a identificar padrões na distribuição espacial da mortalidade neonatal, bem como fatores associados, em Salvador, Bahia, Brasil, 2000-2006. Foram construídos mapas temáticos e usadas técnicas para apreciação formal de dependência espacial. Mediante modelos de regressão linear múltipla (espacial e não espacial) verificou-se a relação entre distribuição espacial dessa mortalidade e fatores selecionados. Evidenciou-se autocorrelação espacial para a mortalidade neonatal (I = 0,17; p = 0,0100), não havendo, portanto, aleatoriedade em sua distribuição. Foi delineado um padrão espacial em que os maiores riscos (> 9,0/1.000 nascidos vivos) concentraram-se em áreas do centro e subúrbio, onde reside a população de menor condição socioeconômica, mostrando-se esta distribuição associada aos fatores de risco analisados. A proporção de nascidos vivos com baixo peso foi a única variável significativamente associada à mortalidade neonatal. Possivelmente, as condições de vida da população contribuíram para a desigual distribuição espacial da mortalidade neonatal nesse município.; An ecological study was performed to identify patterns in the spatial distribution of neonatal mortality and risk areas as well as associated factors in Salvador...

‣ Narrowing inequalities in infant mortality in Southern Brazil; Redução das desigualdades na mortalidade infantil na região sul do Brasil

Goldani, Marcelo Zubaran; Benatti, Rosange Maria; Silva, Antônio Augusto Moura da; Bettiol, Heloisa; Corrêa, Joel Cristiano Westphal; Tietzmann, Marcos Roberto; Barbieri, Marco Antonio
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
79.02739%
Objetivo: Determinar as tendências da mortalidade infantil de 1995 a 1999, segundo a escolaridade materna, medidas em base geográfica, em Porto Alegre, Brasil. Métodos: Estudo baseado em dados secundários de um banco de dados municipal, criado em 1994. Todos os nascidos vivos (119.170 nascimentos) e óbitos infantis (1.934 óbitos) foram considerados. Foram definidas cinco diferentes áreas geográficas segundo os quintis de percentagem de escolaridade materna baixa (menos de seis anos de estudo): alta, médio-alta, média, média-baixa e baixa escolaridade. Foi usado o teste do qui-quadrado para tendências de comparação das taxas entre as áreas. Foi calculada a razão de incidências pela regressão de Poisson para identificar excesso de mortalidade infantil nas áreas mais pobres, em comparação com as mais ricas. Resultados: A taxa de mortalidade infantil decresceu de 18,38 por 1.000 nascidos vivos em 1995 e para 12,21 em 1999 (qui-quadrado para tendência p<0,001). Ambos os componentes neonatal e pós-neonatal foram reduzidos, embora a queda pareceu ser mais intensa no componente pós-neonatal. A maior redução foi observada nas áreas mais pobres. Conclusão: Desigualdades na taxa de mortalidade infantil parecem ter sido reduzidas principalmente às custas de uma redução nos componentes de mortalidade neonatal e pós-neonatal em área de mais baixa escolaridade materna.; Objective: To determine the trends of infant mortality from 1995 to 1999 according to a geographic area-based measure of maternal education in Porto Alegre...

‣ Infant mortality rates according to socioeconoic status in a brazilian city; Mortalidade infantil e nível socioeconômico em uma cidade brasileira

Goldani, Marcelo Zubaran; Barbieri, Marco Antonio; Bettiol, Heloisa; Barbieri, Marisa Ramos; Tomkins, Andrew
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
79.199297%
Objetivo: Informações de bancos de dados municipais podem ser usadas para o planejamento de investigações que visem reduzir as desigualdades no cuidado à saúde. O objetivo do estudo foi determinar a distribuição da mortalidade infantil, segundo uma classificação geoeconômica urbana, usando dados coletados rotineiramente em nível municipal. Métodos: Todos os nascidos vivos (42.381 crianças) e todos os óbitos de menores de um ano de idade (731 casos), ocorridos no período entre 1994 e 1998 em Ribeirão Preto, SP, foram considerados para este estudo. Quatro diferentes áreas geoeconômicas foram definidas de acordo com a renda do chefe de família em cada zona administrativa urbana. Resultados: As taxas de mortalidade infantil e de seus componentes neonatal e pós-neonatal, entre 1994 e 1998, apresentaram queda em Ribeirão Preto (χ2 para tendência, p<0,05). Essas taxas relacionaram-se inversamente à distribuição de baixos salários (menor do que cinco salários-mínimos por chefe de família) nas diversas regiões urbanas (χ2 para tendência, p<0,05). A área mais pobre da cidade apresentou contínuo acréscimo de excesso de mortalidade infantil nesse período. Conclusões: Os resultados demonstram que as áreas pobres da cidade de Ribeirão Preto apresentam taxas de mortalidade infantil mais elevadas quando comparadas com áreas mais privilegiadas. O nível de desigualdade social urbana...

‣ Determinantes contextuais da mortalidade neonatal no Rio Grande do Sul por dois modelos de análise; Contextual determinants of neonatal mortality using two analysis methods, Rio Grande do Sul, Brazil

Zanini, Roselaine Ruviaro; Moraes, Anaelena Bragança de; Giugliani, Elsa Regina Justo; Riboldi, João
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
88.87336%
OBJETIVO: Analisar os determinantes da mortalidade neonatal, segundo modelo de regressão logística multinível e modelo hierárquico clássico. MÉTODOS: Estudo de coorte com 138.407 nascidos vivos com declaração de nascimento e 1.134 óbitos neonatais registrados em 2003 no estado do Rio Grande do Sul. Foram vinculados os registros do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e Mortalidade para o levantamento das informações sobre exposição no nível individual. As variáveis independentes incluíram características da criança ao nascer, da gestação, da assistência à saúde e fatores sociodemográficos. Fatores associados foram estimados e comparados por meio da análise de regressão logística clássica e multinível. RESULTADOS: O coeficiente de mortalidade neonatal foi 8,19 por mil nascidos vivos. As variáveis que se mostraram associadas ao óbito neonatal no modelo hierárquico foram: baixo peso ao nascer, Apgar no 1º e 5º minutos inferiores a oito, presença de anomalia congênita, prematuridade e perda fetal anterior. Cesariana apresentou efeito protetor. No modelo multinível, a perda fetal anterior não se manteve significativa, mas a inclusão da variável contextual (taxa de pobreza) indicou que 15% da variação da mortalidade neonatal podem ser explicados pela variabilidade nas taxas de pobreza em cada microrregião. CONCLUSÕES: O uso de modelos multiníveis foi capaz de mostrar pequeno efeito dos determinantes contextuais na mortalidade neonatal. Foi observada associação positiva com a taxa de pobreza...

‣ Trends in the modes of delivery and their impact on perinatal mortality rates

Duarte,Geraldo; Coltro,Pedro S; Bedone,Rebeca V; Nogueira,Antonio A; Gelonezzi,Glauce M; Franco,Laércio J
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
79.053306%
OBJECTIVE: To determine changes in the incidence of vaginal deliveries, cesarean sections, and forceps deliveries and their potential association with fetal, early neonatal, and perinatal mortality rates over time. METHODS: A retrospective study was carried out and the occurrence of deliveries supervised by university services between January 1991 and December 2000 was determined. Data regarding fetal, early neonatal, and perinatal deaths were assessed using obstetric and pediatric records and autopsy reports. RESULTS: Of a total of 33,360 deliveries, the incidence of vaginal deliveries, cesarean sections, and forceps deliveries was relatively steady (around 60, 30, and 10%, respectively) while, at the same time, there was a marked reduction in fetal mortality (from 33.3 to 13.0‰), early neonatal mortality (from 30.6 to 9.0‰), and perinatal mortality (from 56.4 to 19.3‰). CONCLUSIONS: The marked reduction in perinatal mortality rates seen during the study period without an increase in cesarean sections indicates that the decrease in perinatal mortality was not impacted by cesarean section rates. The plausible hypothesis seems to be that the reduction in perinatal mortality of deliveries performed under the supervision of university services was more likely to be associated with better neonatal care rather than the mode of delivery.

‣ Neonatal mortality: description and effect of hospital of birth after risk adjustment

Barros,Aluísio J D; Matijasevich,Alicia; Santos,Iná S; Albernaz,Elaine P; Victora,Cesar G
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2008 Português
Relevância na Pesquisa
88.74833%
OBJECTIVE: To assess the effect of hospital of birth on neonatal mortality. METHODS: A birth cohort study was carried out in Pelotas, Southern Brazil, in 2004. All hospital births were assessed by daily visits to all maternity hospitals and 4558 deliveries were included in the study. Mothers were interviewed regarding potential risk factors. Deaths were monitored through regular visits to hospitals, cemeteries and register offices. Two independent pediatricians established the underlying cause of death based on information obtained from medical records and home visits to parents. Logistic regression was used to estimate the effect of hospital of birth, controlling for confounders related to maternal and newborn characteristics, according to a conceptual model. RESULTS: Neonatal mortality rate was 12.7‰ and it was highly influenced by birthweight, gestational age, and socioeconomic variables. Immaturity was responsible for 65% of neonatal deaths, followed by congenital anomalies, infections and intrapartum asphyxia. Adjusting for maternal characteristics, a three-fold increase in neonatal mortality was seen between similar complexity hospitals. The effect of hospital remained, though lower, after controlling for newborn characteristics. CONCLUSIONS: Neonatal mortality was high...

‣ Apgar score and neonatal mortality in a hospital located in the southern area of São Paulo city, Brazil

Oliveira,Tatiana Gandolfi de; Freire,Paula Vieira; Moreira,Flávia Thomé; Moraes,Juliana da Silva Bemfeito de; Arrelaro,Raquel Coris; Rossi,Sarah; Ricardi,Viviane Alves; Juliano,Yara; Novo,Neil Ferreira; Bertagnon,José Ricardo Dias
Fonte: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Publicador: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
88.84592%
OBJECTIVE: To correlate the Apgar score, and neonatal mortality and its causes at a hospital located in the southern area of São Paulo City. METHODS: A retrospective study performed by analysis of medical charts (n=7,094) of all live newborns during the period of 2005 to 2009, with data up to 28 days of life in reference to weight, Apgar score, survival and cause of mortality. Cases were analyzed by the X² test (p < 0.05). RESULTS: In 7,094 births, there were 139 deaths, 58.3% during the first week, and 3.6% of them with Apgar < 4 in the 1st minute. A positive association was found between mortality and this variable, with significantly declining values up to 2,000 g in weight. In the group with weight < 1,000 g, the association with Apgar < 4 in the 1st minute with mortality was three-fold greater than in the 1,000-1,500 g weight group, and 35-fold greater than in the > 3,000 g group. Among newborns with Apgar 8-10, the rate of mortality and low weight was two times greater than in those with weight > 2,499 g. Fetal distress and prematurity were associated with early neonatal death; malformations and fetal distress to late mortality. The predictive value of death with Apgar < 4 varied, according to weight, from 62.74% in the < 1...

‣ Narrowing inequalities in infant mortality in Southern Brazil

Goldani,Marcelo Zubaran; Benatti,Rosange; Silva,Antônio Augusto Moura da; Bettiol,Heloisa; Correa,Joel Cristiano Westphal; Tietzmann,Marcos; Barbieri,Marco Antonio
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2002 Português
Relevância na Pesquisa
78.90403%
OBJECTIVE: To determine the trends of infant mortality from 1995 to 1999 according to a geographic area-based measure of maternal education in Porto Alegre, Brazil. METHODS: A registry-based study was carried out and a municipal database created in 1994 was used. All live births (n=119,170) and infant deaths (n=1,934) were considered. Five different geographic areas were defined according to quintiles of the percentage of low maternal educational level (<6 years of schooling): high, medium high, medium, medium low, and low. The chi-square test for trend was used to compare rates between years. Incidence rate ratio was calculated using Poisson regression to identify excess infant mortality in poorer areas compared to higher schooling areas. RESULTS: The infant mortality rate (IMR) decreased steadily from 18.38 deaths per 1,000 live births in 1995 to 12.21 in 1999 (chi-square for trend p<0.001). Both neonatal and post-neonatal mortality rates decreased although the drop seemed to be steeper for the post-neonatal component. The higher decline was seen in poorer areas. CONCLUSION: Inequalities in IMR seem to have decreased due to a steeper reduction in both neonatal and post-neonatal components of infant mortality in lower maternal schooling area.

‣ Infant mortality: comparison between two birth cohorts from Southeast and Northeast, Brazil

Ribeiro,Valdinar S; Silva,Antônio A M; Barbieri,Marco A; Bettiol,Heloisa; Aragão,Vânia M F; Coimbra,Liberata C; Alves,Maria T S S B
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2004 Português
Relevância na Pesquisa
78.8367%
OBJECTIVE: To obtain population estimates and profile risk factors for infant mortality in two birth cohorts and compare them among cities of different regions in Brazil. METHODS: In Ribeirão Preto, southeast Brazil, infant mortality was determined in a third of hospital live births (2,846 singleton deliveries) in 1994. In São Luís, northeast Brazil, data were obtained using systematic sampling of births stratified by maternity unit (2,443 singleton deliveries) in 1997-1998. Mothers answered standardized questionnaires shortly after delivery and information on infant deaths was retrieved from hospitals, registries and the States Health Secretarys' Office. The relative risk (RR) was estimated by Poisson regression. RESULTS: In São Luís, the infant mortality rate was 26.6/1,000 live births, the neonatal mortality rate was 18.4/1,000 and the post-neonatal mortality rate was 8.2/1,000, all higher than those observed in Ribeirão Preto (16.9, 10.9 and 6.0 per 1,000, respectively). Adjusted analysis revealed that previous stillbirths (RR=3.67 vs 4.13) and maternal age <18 years (RR=2.62 vs 2.59) were risk factors for infant mortality in the two cities. Inadequate prenatal care (RR=2.00) and male sex (RR=1.79) were risk factors in São Luís only...

‣ Infant mortality rates according to socioeconomic status in a Brazilian city

Goldani,Marcelo Zubaran; Barbieri,Marco Antonio; Bettiol,Heloisa; Barbieri,Marisa Ramos; Tomkins,Andrew
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2001 Português
Relevância na Pesquisa
79.085317%
OBJECTIVE: Data from municipal databases can be used to plan interventions aimed at reducing inequities in health care. The objective of the study was to determine the distribution of infant mortality according to an urban geoeconomic classification using routinely collected municipal data. METHODS: All live births (total of 42,381) and infant deaths (total of 731) that occurred between 1994 and 1998 in Ribeirão Preto, Brazil, were considered. Four different geoeconomic areas were defined according to the family head's income in each administrative urban zone. RESULTS: The trends for infant mortality rate and its different components, neonatal mortality rate and post-neonatal mortality rate, decreased in Ribeirão Preto from 1994 to 1998 (chi-square for trend, p<0.05). These rates were inversely correlated with the distribution of lower salaries in the geoeconomic areas (less than 5 minimum wages per family head), in particular the post-neonatal mortality rate (chi-square for trend, p<0.05). Finally, the poor area showed a steady increase in excess infant mortality. CONCLUSIONS: The results indicate that infant mortality rates are associated with social inequality and can be monitored using municipal databases. The findings also suggest an increase in the impact of social inequality on infant health in Ribeirão Preto...

‣ Tendência das formas de resolução da gravidez e sua influência sobre as taxas de mortalidade perinatal; Trends in the modes of delivery and their impact on perinatal mortality rates

Duarte, Geraldo; Coltro, Pedro S; Bedone, Rebeca V; Nogueira, Antonio A; Gelonezzi, Glauce M; Franco, Laércio J
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
79.209346%
OBJETIVO: Aferir as variações das taxas de parto normal, cesárea e parto fórceps, bem como das taxas de mortalidade fetal, neonatal precoce e perinatal ao longo do tempo e verificar as possíveis inter-relações entre elas. MÉTODOS: Estudo retrospectivo que avaliou as taxas dos partos realizados em hospitais localizados em Ribeirão Preto, SP, no período de janeiro de 1991 a dezembro de 2000. Os dados sobre mortalidade fetal, neonatal precoce e perinatal foram obtidos por meio de registros obstétricos, pediátricos e de necrópsias. RESULTADOS: Em um total de 33.360 partos realizados, houve relativa manutenção das taxas de parto normal, cesárea e fórceps (em torno de 60%, 30% e 10%, respectivamente), ao mesmo tempo em que houve nítida redução das taxas de mortalidade fetal (de 33,3 para 13,0‰), neonatal precoce (de 30,6 para 9,0‰) e perinatal (de 56,4 para 19,3‰). CONCLUSÕES: Verificou-se evidente redução das taxas de mortalidade perinatal, sem aumento das taxas de parto cesárea. Desse modo, pode-se afirmar que a redução temporal da mortalidade perinatal observada nessa casuística não sofreu influência da taxa de cesárea. Parece que a redução da taxa de mortalidade perinatal dos partos realizados e supervisionados seja mais uma relação direta da melhora do atendimento neonatal do que da via de parto.; OBJECTIVE: To determine changes in the incidence of vaginal deliveries...

‣ Comparação entre diferentes escores de risco de mortalidade em unidade de tratamento intensivo neonatal; Comparison between different mortality risk scores in a neonatal intensive care unit

Zardo, Mariani Schlabendorff; Procianoy, Renato S
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
78.871016%
OBJETIVO: Avaliar peso de nascimento e os escores como preditores de mortalidade neonatal em unidade de terapia intensiva neonatal, comparando os seus resultados. MÉTODOS: Foram avaliados 494 recém-nascidos admitidos em uma unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN) de um hospital geral de Porto Alegre, RS, logo após o nascimento, entre março de 1997 e junho de 1998. Foram avaliados o peso de nascimento e os escores considerando a variável óbito durante a internação na UTI. Os critérios de exclusão foram: alta ou óbito da UTIN com menos de 24 horas de internação, recém-nascidos cuja internação não ocorreu logo após o nascimento, protocolo de estudo incompleto e malformações congênitas incompatíveis com a vida. Para avaliação do CRIB (Clinical Risk Index for Babies) foram considerados somente os pacientes com peso de nascimento inferior a 1.500 g. Foram calculadas as curvas ROC (Receiver Operating Characteristics Curve) para SNAP (Score for Neonatal Acute), SNAP-PE (Score for Neonatal Acute Physiology Perinatal Extension), SNAP II, SNAP-PE II, CRIB e peso de nascimento. RESULTADOS: Dos 494 pacientes, 44 faleceram (8,9% de mortalidade). Dos 102 recém-nascidos com peso de até 1.500 g, 32 (31,3%) faleceram. As áreas abaixo da curva ROC variaram de 0...

‣ Escore CRIB, peso ao nascer e idade gestacional na avaliação do risco de mortalidade neonatal; CRIB score, birth weight and gestational age in neonatal mortality risk evaluation

Brito, Angela Sara J de; Matsuo, Tiemi; Gonzalez, Maria Rafaela C; Carvalho, Ana Berenice R de; Ferrari, Lígia S L
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
88.64802%
OBJETIVO: Avaliar a mortalidade dos recém-nascidos de muito baixo peso em uma UTI neonatal conforme as variações do escore CRIB (Clinical Risk Index for Babies), do peso de nascimento e da idade gestacional em determinado período. MÉTODOS: O escore CRIB foi aplicado seqüencial e prospectivamente em todos os recém-nascidos com peso de nascimento; OBJECTIVE: To evaluate the mortality rate of very low birth weight babies born at a Neonatal Intensive Care Unit (NICU) during a specified period of time according to variations in CRIB (Clinical Risk Index for Babies) score, birth weight and gestational age. METHODS: From January 1997 to December 2000, the CRIB score was prospectively applied to all newborn infants admitted to the NICU of an university hospital of Londrina, Brazil, with birthweight under 1,500 g and/or gestational age of less than 31 weeks. The exclusion criteria were: death before 12 hours of life, presence of lethal congenital malformations and newborns who had been referred from other hospital. RESULTS: Two hundred and eighty-four infants met the inclusion criteria. Mean birth weight was 1,148±248 g (median =1,180), mean gestational age was 30.2±2.4 weeks (median =30.0) and mean CRIB score was 3.8±4.4 (median =2.0). The neonatal mortality rate was 23.2%...

‣ Via de parto e risco para mortalidade neonatal em Goiânia no ano de 2000; Obstetric delivery and risk of neonatal mortality in Goiânia in 2000, Brazil

Giglio, Margareth Rocha Peixoto; Lamounier, Joel Alves; Morais Neto, Otaliba Libânio de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/06/2005 Português
Relevância na Pesquisa
79.17367%
OBJETIVO: Determinar os fatores responsáveis pela associação entre via de parto normal e maior mortalidade neonatal, em coorte de recém-nascidos. MÉTODOS: Estudo de coorte retrospectiva, constituído por meio do sistema de linkage a partir dos arquivos do Sistema de Informações de Nascimentos e do Sistema Informações de Mortalidade, onde foram incluídos todos os recém-nascidos de Goiânia, no ano de 2000. Foi realizada análise estratificada da via de parto e das categorias de hospital de nascimento por fatores de risco para a mortalidade neonatal, com cálculo do Risco Relativo, com nível de significância de 5%. As associações estatísticas foram analisadas utilizando o teste qui-quadrado com nível de significância de 5%. RESULTADOS: O parto normal foi mais realizado que o operatório em situações de maior risco para a morte neonatal. Os hospitais públicos, onde o parto normal foi mais freqüente, atenderam a população de maior risco para a morte neonatal. Os hospitais privados sem atendimento ao Sistema Único de Saúde realizaram a cesariana em 84,9% dos casos. Nesses serviços, o parto normal foi realizado principalmente em situações de risco para a morte neonatal como: prematuridade extrema e muito baixo peso ao nascer. CONCLUSÕES: A associação entre parto normal e maior ocorrência de óbito neonatal decorreu de viés de seleção devido à distribuição das gestantes na rede hospitalar e...

‣ Fatores de risco para mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer; Factores de riesgo para mortalidad neonatal en niños con bajo peso al nacer; Risk factors for neonatal mortality among children with low birth weight

Ribeiro, Adolfo Monteiro; Guimarães, Maria José; Lima, Marilia de Carvalho; Sarinho, Silvia Wanick; Coutinho, Sonia Bechara
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/04/2009 Português
Relevância na Pesquisa
88.8971%
OBJETIVO: Analisar os fatores de risco associados aos óbitos neonatais em crianças com baixo peso ao nascer. MÉTODOS: Realizou-se um estudo de coorte, composto pelos nascidos vivos com peso entre 500 g e 2.499 g, residentes no Recife (PE), entre 2001 e 2003, produtos de gestação única e sem anencefalia. Os dados sobre os 5.687 nascidos vivos e 499 óbitos neonatais, provenientes do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e do Sistema de Informações sobre Mortalidade, foram integrados pela técnica de linkage. Em modelo hierarquizado, as variáveis dos níveis distal (fatores socioeconômicos), intermediário (fatores de atenção à saúde) e proximal (fatores biológicos) foram submetidas à análise univariada e regressão logística multivariada. RESULTADOS: Com o ajuste das variáveis na regressão logística multivariada, as variáveis do nível distal que permaneceram significantemente associadas com o óbito neonatal foram: a coabitação dos pais, número de filhos vivos e tipo de hospital de nascimento; no nível intermediário: número de consultas no pré-natal, complexidade do hospital de nascimento e tipo de parto; e no nível proximal: sexo, idade gestacional, peso ao nascer, índice de Apgar e presença de malformação congênita. CONCLUSÕES: Os principais fatores associados à mortalidade neonatal nos nascidos vivos com baixo peso estão relacionados com a atenção à gestante e ao recém-nascido...

‣ Determinantes contextuais da mortalidade neonatal no Rio Grande do Sul por dois modelos de análise; Determinantes contextuales de la mortalidad neonatal por dos modelos de análisis; Contextual determinants of neonatal mortality using two analysis methods, Rio Grande do Sul, Brazil

Zanini, Roselaine Ruviaro; Moraes, Anaelena Bragança de; Giugliani, Elsa Regina Justo; Riboldi, João
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/02/2011 Português
Relevância na Pesquisa
88.91373%
OBJETIVO: Analisar os determinantes da mortalidade neonatal, segundo modelo de regressão logística multinível e modelo hierárquico clássico. MÉTODOS: Estudo de coorte com 138.407 nascidos vivos com declaração de nascimento e 1.134 óbitos neonatais registrados em 2003 no estado do Rio Grande do Sul. Foram vinculados os registros do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos e Mortalidade para o levantamento das informações sobre exposição no nível individual. As variáveis independentes incluíram características da criança ao nascer, da gestação, da assistência à saúde e fatores sociodemográficos. Fatores associados foram estimados e comparados por meio da análise de regressão logística clássica e multinível. RESULTADOS: O coeficiente de mortalidade neonatal foi 8,19 por mil nascidos vivos. As variáveis que se mostraram associadas ao óbito neonatal no modelo hierárquico foram: baixo peso ao nascer, Apgar no 1º e 5º minutos inferiores a oito, presença de anomalia congênita, prematuridade e perda fetal anterior. Cesariana apresentou efeito protetor. No modelo multinível, a perda fetal anterior não se manteve significativa, mas a inclusão da variável contextual (taxa de pobreza) indicou que 15% da variação da mortalidade neonatal podem ser explicados pela variabilidade nas taxas de pobreza em cada microrregião. CONCLUSÕES: O uso de modelos multiníveis foi capaz de mostrar pequeno efeito dos determinantes contextuais na mortalidade neonatal. Foi observada associação positiva com a taxa de pobreza...

‣ Narrowing inequalities in infant mortality in Southern Brazil

Goldani,Marcelo Zubaran; Benatti,Rosange; Silva,Antônio Augusto Moura da; Bettiol,Heloisa; Correa,Joel Cristiano Westphal; Tietzmann,Marcos; Barbieri,Marco Antonio
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2002 Português
Relevância na Pesquisa
78.90403%
OBJECTIVE: To determine the trends of infant mortality from 1995 to 1999 according to a geographic area-based measure of maternal education in Porto Alegre, Brazil. METHODS: A registry-based study was carried out and a municipal database created in 1994 was used. All live births (n=119,170) and infant deaths (n=1,934) were considered. Five different geographic areas were defined according to quintiles of the percentage of low maternal educational level (<6 years of schooling): high, medium high, medium, medium low, and low. The chi-square test for trend was used to compare rates between years. Incidence rate ratio was calculated using Poisson regression to identify excess infant mortality in poorer areas compared to higher schooling areas. RESULTS: The infant mortality rate (IMR) decreased steadily from 18.38 deaths per 1,000 live births in 1995 to 12.21 in 1999 (chi-square for trend p<0.001). Both neonatal and post-neonatal mortality rates decreased although the drop seemed to be steeper for the post-neonatal component. The higher decline was seen in poorer areas. CONCLUSION: Inequalities in IMR seem to have decreased due to a steeper reduction in both neonatal and post-neonatal components of infant mortality in lower maternal schooling area.

‣ Trends in the modes of delivery and their impact on perinatal mortality rates

Duarte,Geraldo; Coltro,Pedro S; Bedone,Rebeca V; Nogueira,Antonio A; Gelonezzi,Glauce M; Franco,Laércio J
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
79.053306%
OBJECTIVE: To determine changes in the incidence of vaginal deliveries, cesarean sections, and forceps deliveries and their potential association with fetal, early neonatal, and perinatal mortality rates over time. METHODS: A retrospective study was carried out and the occurrence of deliveries supervised by university services between January 1991 and December 2000 was determined. Data regarding fetal, early neonatal, and perinatal deaths were assessed using obstetric and pediatric records and autopsy reports. RESULTS: Of a total of 33,360 deliveries, the incidence of vaginal deliveries, cesarean sections, and forceps deliveries was relatively steady (around 60, 30, and 10%, respectively) while, at the same time, there was a marked reduction in fetal mortality (from 33.3 to 13.0‰), early neonatal mortality (from 30.6 to 9.0‰), and perinatal mortality (from 56.4 to 19.3‰). CONCLUSIONS: The marked reduction in perinatal mortality rates seen during the study period without an increase in cesarean sections indicates that the decrease in perinatal mortality was not impacted by cesarean section rates. The plausible hypothesis seems to be that the reduction in perinatal mortality of deliveries performed under the supervision of university services was more likely to be associated with better neonatal care rather than the mode of delivery.

‣ Neonatal mortality: description and effect of hospital of birth after risk adjustment

Barros,Aluísio J D; Matijasevich,Alicia; Santos,Iná S; Albernaz,Elaine P; Victora,Cesar G
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2008 Português
Relevância na Pesquisa
88.74833%
OBJECTIVE: To assess the effect of hospital of birth on neonatal mortality. METHODS: A birth cohort study was carried out in Pelotas, Southern Brazil, in 2004. All hospital births were assessed by daily visits to all maternity hospitals and 4558 deliveries were included in the study. Mothers were interviewed regarding potential risk factors. Deaths were monitored through regular visits to hospitals, cemeteries and register offices. Two independent pediatricians established the underlying cause of death based on information obtained from medical records and home visits to parents. Logistic regression was used to estimate the effect of hospital of birth, controlling for confounders related to maternal and newborn characteristics, according to a conceptual model. RESULTS: Neonatal mortality rate was 12.7‰ and it was highly influenced by birthweight, gestational age, and socioeconomic variables. Immaturity was responsible for 65% of neonatal deaths, followed by congenital anomalies, infections and intrapartum asphyxia. Adjusting for maternal characteristics, a three-fold increase in neonatal mortality was seen between similar complexity hospitals. The effect of hospital remained, though lower, after controlling for newborn characteristics. CONCLUSIONS: Neonatal mortality was high...

‣ Infant mortality rates according to socioeconomic status in a Brazilian city

Goldani,Marcelo Zubaran; Barbieri,Marco Antonio; Bettiol,Heloisa; Barbieri,Marisa Ramos; Tomkins,Andrew
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2001 Português
Relevância na Pesquisa
79.085317%
OBJECTIVE: Data from municipal databases can be used to plan interventions aimed at reducing inequities in health care. The objective of the study was to determine the distribution of infant mortality according to an urban geoeconomic classification using routinely collected municipal data. METHODS: All live births (total of 42,381) and infant deaths (total of 731) that occurred between 1994 and 1998 in Ribeirão Preto, Brazil, were considered. Four different geoeconomic areas were defined according to the family head's income in each administrative urban zone. RESULTS: The trends for infant mortality rate and its different components, neonatal mortality rate and post-neonatal mortality rate, decreased in Ribeirão Preto from 1994 to 1998 (chi-square for trend, p<0.05). These rates were inversely correlated with the distribution of lower salaries in the geoeconomic areas (less than 5 minimum wages per family head), in particular the post-neonatal mortality rate (chi-square for trend, p<0.05). Finally, the poor area showed a steady increase in excess infant mortality. CONCLUSIONS: The results indicate that infant mortality rates are associated with social inequality and can be monitored using municipal databases. The findings also suggest an increase in the impact of social inequality on infant health in Ribeirão Preto...