Página 1 dos resultados de 1 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

‣ A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: SÉRIE HISTÓRICA ENTRE 1994-2004 E ASSOCIAÇÃO COM INDICADORES SOCIOECONÔMICOS EM MUNICÍPIOS DE MÉDIO E GRANDE PORTE; INFANT MORTALITY IN BRAZIL: HISTORICAL SERIES FROM 1994 TO 2004 AND ASSOCIATION WITH SOCIOECONOMIC INDICATORS IN MEDIUM AND LARGE MUNICIPALITIES

Fischer, Tatiana Konrad; Lima, Daniel; Rosa, Rosiléia; Osório, Denise; Boing, Antonio Fernando
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Formato: application/pdf
Publicado em 30/12/2007 Português
Relevância na Pesquisa
54.784414%
Modelo do estudo: trata-se de um estudo descritivo. Objetivo: descrever a série histórica da mortalidade infantil no Brasil segundo a idade do óbito e os principais grupos de causas no período de 1994 a 2004. Também foi testada a associação da mortalidade infantil com indicadores socioeconômicos nos 297 municípios brasileiros com população superior a 80 mil habitantes. Métodos: os municípios foram divididos em quartis segundo as taxas de mortalidade infantil e aplicaram-se testes ANOVA e Kruskall-Wallis para identificar possíveis diferenças entre os grupos. Também foram descritos os coeficientes de correlação de Spearman entre a variável dependente e as independentes. Os dados foram oriundos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). Resultados: entre 1994 e 2004 houve declínio nas taxas de mortalidade infantil e alteração nos grupos de principais causas de óbitos infantis. Quando analisados apenas os municípios brasileiros de médio e grande porte, identificou-se que as taxas de mortalidade infantil apresentaram acentuada variação. Identificou-se, ainda, que todas as variáveis sócioeconômicas investigadas apresentaram correlação estatisticamente significante com a mortalidade infantil. Conclusão: políticas de atenção ao parto...