Página 4 dos resultados de 1404 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

‣ Dimensões regionais da mortalidade infantil no Brasil; Regional dimensions of infant mortality in Brazil

Barufi, Ana Maria Bonomi
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/02/2010 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
O desenvolvimento pode ser estudado sob diversas perspectivas. Dentre estas, destaca-se a de Amartya Sen, na qual o objetivo maior de uma política de desenvolvimento é o de expandir a liberdade de escolha dos indivíduos. Partindo da ideia de ampliação das capabilities, define-se uma das dimensões consideradas como essenciais, a saúde, mais especificamente a mortalidade infantil, como objeto de estudo. Um dos papéis do Estado deve ser o de garantir a provisão de serviços de saúde para todos os indivíduos, já que ela pode ser classificada como um bem meritório. Em busca dos determinantes do padrão regional recente da mortalidade infantil no Brasil, utiliza-se o modelo de determinantes proximais proposto por Mosley e Chen (1984), no qual os fatores socioeconômicos influenciam indiretamente o resultado observado da variável de interesse. No Brasil, houve uma redução expressiva dos níveis de mortalidade infantil nas últimas décadas, mas ainda assim persiste uma intensa desigualdade regional. Com o objetivo de comparar os resultados alcançados localmente no país, é necessário incluir a dimensão espacial em um modelo econométrico para que os problemas decorrentes da dependência espacial possam ser evitados. Após utilizar o filtro espacial para tanto...

‣ A mortalidade infantil e a relação com o espaço geografico na Cidade de Rio Claro, SP, BR; The infant mortality and the geographical area in the city of Rio Claro, SP, BR

Maria Aparecida Vedovato
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/02/2009 Português
Relevância na Pesquisa
68.179424%
A mortalidade infantil em populações urbanas é de grande importância para as políticas de saúde pública. Foi realizado um estudo ecológico exploratório com dados espaciais com o objetivo de contribuir para o entendimento das causas contextuais da mortalidade infantil, tendo em vista a distribuição territorial dos eventos. Neste trabalho são apresentados os resultados obtidos das análises estatística e espacial realizadas por meio de técnicas de geoprocessamento da mortalidade neonatal, mortalidade de crianças com até um ano de idade e de natimortos entre o período de 2000 a 2007, bem como da construção de seus coeficientes por áreas de abrangência em unidades de atendimento da saúde na área urbana do município de Rio Claro, SP, Brasil. Foram identificadas durante o período estudado as tendências do comportamento espaçotemporal da distribuição da mortalidade infantil e da natimortalidade no cenário urbano que neste trabalho se mostraram distribuídos irregularmente pela área de estudo com grande oscilação nos dados e que apesar de apresentar correlação positiva com as variáveis sócio-ambientais, estas foram pouco significativas. A correlação mais significativa observada foi entre o coeficiente de natimortalidade e o índice de qualidade sócio ambiental que registrou maior valor de correlação estatística linear de Pearson (r=0.2733)...

‣ Infant mortality in the Federal District, Brazil : time trend and socioeconomic inequalities; Mortalidade infantil no Distrito Federal, Brasil : tendência temporal e desigualdades sócio-econômicas

Monteiro, Renata Alves; Schmitz, Bethsáida de Abreu Soares
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
O objetivo deste estudo é verificar a tendência da mortalidade infantil no Distrito Federal, Brasil, no período de 1990 a 2000 e descrevê-la, entre 1996 e 2000, nas cinco áreas do Distrito Federal estratificadas de acordo com a renda familiar média. Foi realizado um estudo ecológico de série temporal utilizando-se os Sistemas de Informação sobre Nascidos Vivos e Mortalidade produzidos pelo Ministério da Saúde. O coeficiente de mortalidade infantil (CMI) reduziu 45,2% entre 1990 e 2000, passando de 26,3 para 14,4 por mil nascidos vivos, sendo a taxa anual de decréscimo de 5,34% (R2 = 0,9397; p < 0,0001). Ocorreu no período maior proporção de óbitos no período neonatal, porém, o maior decréscimo ocorreu no componente pós-neonatal (-59%, R2 = 0,8452; p < 0,0001). Quando avaliado o CMI nas diversas áreas do Distrito Federal, observa-se que houve uma redução na diferença entre as regiões no que diz respeito a seus componentes, porém foram mantidas distorções importantes quanto à variável renda. Os resultados sugerem que há necessidade de intervenção efetiva nos determinantes da mortalidade infantil e seus componentes que resulte na melhoria da saúde materno-infantil em todos os grupos sócio-econômicos do Distrito Federal. ___________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT; This study examined the trend in the infant mortality rate in the Federal District of Brazil (or Greater Metropolitan Brasilia...

‣ Mortalidade infantil e condições sociodemográficas no Ceará, em 1991 e 2000

Bezerra Filho,José Gomes; Pontes,Lígia Regina Franco Sansigolo Kerr; Miná,Daniel de Lima; Barreto,Maurício Lima
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Analisar os modelos explicativos ecológicos para a taxa de mortalidade infantil no Ceará, em dois períodos distintos. MÉTODOS: Estudo ecológico transversal de dois anos censitários, 1991 e 2000, a partir de informações desagregadas por municípios do Ceará. Foram utilizadas as estimativas da taxa de mortalidade infantil do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Para os demais indicadores foram utilizadas diferentes fontes do Sistema de Informação de Saúde. Os principais fatores de risco foram encontrados empregando-se regressão linear múltipla. RESULTADOS: Para 1991, as variáveis preditoras da mortalidade infantil (R2=0,3575) nos municípios foram: proporção de residências pequenas (beta=0,0043; ro=0,010), de pessoas que vivem em domicílios com água encanada (beta=-0,0029; ro=0,024), de crianças de dez a 14 anos que trabalham (beta=0,0049; ro=0,017), de alfabetizados (beta=-0,0062; ro=0,031), taxa de urbanização (beta=0,0032; ro=0,004), taxa de fecundidade total (beta=0,0351; ro=0,024), chefes de família com renda mensal menor que meio salário mínimo (beta=0,0056; ro=0,000). Em 2000, os possíveis determinantes (R2=0,3236) foram: proporção de crianças menores de dois anos desnutridas (beta=0...

‣ Mortalidade infantil e acesso geográfico ao parto nos municípios brasileiros

Almeida,Wanessa da Silva de; Szwarcwald,Célia Landmann
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Analisar o acesso geográfico ao parto hospitalar nos municípios brasileiros. MÉTODOS: Foram analisadas informações de óbitos e nascimentos quanto à sua adequação para o cálculo do coeficiente de mortalidade infantil no período de 2005 a 2007 para os 5.564 municípios brasileiros. O acesso geográfico foi expresso por indicadores de deslocamento, oferta e acesso aos serviços de saúde. A associação entre o acesso geográfico ao parto e o coeficiente de mortalidade infantil em municípios com adequação de suas informações vitais foi avaliada por meio de regressão múltipla. RESULTADOS: Dentre os municípios analisados, 56% apresentaram adequação das informações vitais, correspondendo a 72% da população brasileira. O deslocamento geográfico ao parto mostrou-se inversamente associado ao porte populacional, à renda per capita, e à mortalidade infantil, mesmo controlado por fatores demográficos e socioeconômicos. CONCLUSÕES: Embora tenham sido desenvolvidas estratégias importantes para a melhoria da qualidade do atendimento às gestantes no Brasil, as ações para garantir o acesso igualitário à assistência ao parto ainda são insuficientes. O maior deslocamento intermunicipal para o parto se mostrou como um fator de risco para a mortalidade infantil...

‣ Declínio e desigualdades sociais na mortalidade infantil por diarréia

Guimarães,Zuleica Antunes; Costa,Maria da Conceição Nascimento; Paim,Jairnilson Silva; Silva,Ligia Maria Vieira da
Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Publicador: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
68.179424%
Este estudo ecológico, temporal e espacial descreve a evolução da mortalidade infantil por doenças infecciosas intestinais (DII) em Salvador, Bahia, no período de 1977 a 1998 e a distribuição dessa mortalidade segundo condições de vida, em 1991. As Zonas de Informação (ZI), da cidade, foram agrupadas segundo um índice de condições de vida (ICV), em quartis. Foram calculados os seguintes indicadores: Mortalidade Infantil Proporcional (MIP), Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI) e Razão de Mortalidade pela referida causa. A análise dos dados foi feita através do cálculo de médias móveis e do teste de qui-quadrado de tendência. Entre 1977 e 1998 o CMI/DII reduziu-se em 91,9%. A razão entre o CMI/DII do estrato de condições de vida "elevadas" para aquele onde as mesmas eram "muito baixas" foi de 1,9 e a MIP foi mais elevada onde eram piores as condições de vida o que requer reorientação das políticas de controle do problema na direção do enfrentamento das causas.

‣ Mortalidade infantil na percepção de gestores e profissionais de saúde: determinantes do seu declínio e desafios atuais em município do sul do Brasil

Pizzo,Lígia Goes Pedrozo; Andrade,Selma Maffei de; Silva,Ana Maria Rigo; Melchior,Regina; González,Alberto Durán
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.226943%
Este estudo objetivou analisar a percepção de gestores e profissionais da saúde sobre os determinantes para o declínio da mortalidade infantil nas últimas décadas, bem como os desafios para a continuidade da redução dos valores desse indicador em Londrina (PR). Foi realizado uma pesquisa qualitativa com análise de entrevistas de 38 gestores, profissionais de saúde e pesquisadores, selecionados pela técnica da bola de neve. Na visão dos entrevistados, os determinantes para a redução da mortalidade infantil foram melhorias das condições de vida e medidas implantadas por políticas públicas e ações setoriais e extrassetoriais. Os desafios atuais dizem respeito, principalmente, à qualificação da assistência pré-natal, à redução da gravidez na adolescência, à melhoria da atenção hospitalar ao recém-nascido prematuro, à prevenção da prematuridade e ao financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). O aumento da proporção de mortes neonatais torna mais complexo e difícil reduzir a mortalidade infantil. Compreender as dificuldades e identificar os desafios...

‣ Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul

Geib,Lorena Teresinha Consalter; Fréu,Cheila Mara; Brandão,Marlise; Nunes,Magda Lahorgue
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 Português
Relevância na Pesquisa
68.226943%
Investigaram-se os determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil de coorte de base populacional com 2.331 nascidos vivos em Passo Fundo (RS) entre fevereiro de 2003 e janeiro de 2004, incluindo os 56 óbitos infantis. Os dados referentes aos óbitos foram acrescidos ao banco de dados da coorte de nascimento, que continha as variáveis sociais e biológicas obtidas nas declarações de nascidos vivos e em entrevistas domiciliares. O coeficiente de mortalidade infantil foi de 22,8%. Análises bivariadas e multivariada com regressão logística e modelo hierarquizado mostraram associados ao óbito infantil: escolaridade materna inferior a oito anos (RR= 5,7; IC 95%: 1,92- 16,75), antecedente de filhos mortos (RR= 3,7 (IC 95%: 1,07-12,10); baixo peso ao nascer, com RR= 6,7 (IC 95%: 2,07-21,65) a 79,7 (IC 95%:14,36-441,92) para nascidos de baixo peso e de muito baixo peso, respectivamente; escores de Apgar < 7 (RR=8,7; IC 95%: 2,85-26,32) e ausência de aleitamento materno (RR=15,75; IC 95%: 6,76-63,68). Por ser a mortalidade infantil determinada socialmente pela baixa escolaridade materna e biologicamente pelos antecedentes de filhos mortos, baixa vitalidade e baixo peso ao nascer, recomenda-se a inclusão desses fatores na classificação de risco para monitoramento da mortalidade infantil em Passo Fundo.

‣ Variáveis de impacto na queda da mortalidade infantil no Estado de São Paulo, Brasil, no período de 1998 a 2008

Lourenço,Eloisio do Carmo; Guerra,Luciane Miranda; Tuon,Rogerio Antonio; Vidal e Silva,Sandra Maria Cunha; Ambrosano,Glaucia Maria Bovi; Corrente,José Eduardo; Cortellazzi,Karine Laura; Vazquez,Fabiana de Lima; Meneghim,Marcelo de Castro; Pereira,Antoni
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
Trata-se de estudo ecológico analítico, retrospectivo, composto pelos 645 municípios do Estado de São Paulo, cujo objetivo foi verificar a relação entre variáveis socioeconômicas, demográficas e modelo de atenção, em relação ao coeficiente de mortalidade infantil, no período de 1998 a 2008. Foi calculada a proporção de variação média anual para cada indicador por estrato de cobertura. A mortalidade infantil foi analisada segundo modelo de medidas repetidas no tempo, ajustado para as variáveis de correção: população do município, proporção de PSF implantado, proporção de PACS implantado, PIB per capita e IPRS (índice paulista de responsabilidade social). A análise foi realizada por modelos lineares generalizados, considerando a distribuição gama. Comparações múltiplas foram realizadas pela razão de verossimilhança com distribuição aproximada qui-quadrado, considerando-se nível de significância de 5%. Houve diminuição da mortalidade infantil no decorrer dos anos (p < 0,05), não havendo diferença significativa de 2004 a 2008 (p > 0...

‣ Estimação da mortalidade infantil no contexto de descentralização do sistema único de saúde (SUS)

Frias,Paulo Germano de; Szwarcwald,Célia Landman; Lira,Pedro Israel Cabral de
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2011 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
O artigo aborda as estratégias para estimação da mortalidade infantil no contexto da descentralização do sistema de saúde brasileiro. Apresenta as técnicas de mensuração diretas e indiretas da mortalidade infantil, as possibilidades de aplicação e os problemas metodológicos. Discute os sistemas de informação sobre eventos vitais de registro contínuo do Ministério da Saúde e estratégias para a avaliação da adequação das informações para a estimação da mortalidade infantil. Estes aspectos são contextualizados à luz das novas necessidades que emergiram com o processo de descentralização do sistema de saúde brasileiro. Nas considerações finais, são apontados os desafios para a estimação da mortalidade Infantil pelo método direto a partir dos sistemas de informações do MS em municípios de pequeno porte e precariedade das informações vitais.

‣ Variáveis de impacto na queda da mortalidade infantil no Estado de São Paulo, Brasil, no período de 1998 a 2008

Lourenco, Eloisio do Carmo; Guerra, Luciane Miranda; Tuon, Rogerio Antonio; Silva, Sandra Maria Cunha Vidal e; Ambrosano, Glaucia Maria Bovi; Corrente, José Eduardo; Cortellazzi, Karine Laura; Vazquez, Fabiana de Lima; Meneghim, Marcelo de Castro; Pereir
Fonte: Abrasco Publicador: Abrasco
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 2055-2062
Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
This is an ecological, analytical and retrospective study comprising the 645 municipalities in the State of Sao Paulo, the scope of which was to determine the relationship between socioeconomic, demographic variables and the model of care in relation to infant mortality rates in the period from 1998 to 2008. The ratio of average annual change for each indicator per stratum coverage was calculated. Infant mortality was analyzed according to the model for repeated measures over time, adjusted for the following correction variables: the city's population, proportion of Family Health Programs (PSFs) deployed, proportion of Growth Acceleration Programs (PACs) deployed, per capita GDP and SPSRI (Sao Paulo social responsibility index). The analysis was performed by generalized linear models, considering the gamma distribution. Multiple comparisons were performed with the likelihood ratio with chi-square approximate distribution, considering a significance level of 5%. There was a decrease in infant mortality over the years (p < 0.05), with no significant difference from 2004 to 2008 (p > 0.05). The proportion of PSFs deployed (p < 0.0001) and per capita GDP (p < 0.0001) were significant in the model. The decline of infant mortality in this period was influenced by the growth of per capita GDP and PSFs.; Trata-se de estudo ecológico analítico...

‣ Combate à mortalidade infantil, sob uma perspectiva filosófica, jurídica e pastoral

Reis, Cíntia Caroline da Silva e Silva
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
O presente trabalho tem o objetivo de incentivar o combate à mortalidade infantil, por parte do poder público, família, comunidade e sociedade em geral e demonstrar que as formas de combate são bem simples e estão ao alcance de todos, entretanto o que falta é investimento por parte do poder público. Para tanto, foi necessário a apreciação do Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, realizando um estudo do seu conceito; da visão de Kant; do Princípio na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente. De igual forma, foi importante verificar as causas da mortalidade infantil, a fim de realizar o combate. Em seguida, uma explanação quanto às ações estatais e privadas de combate à mortalidade infantil, para, depois, adentrar, ao estudo efetivo do trabalho realizado pela Pastoral da Criança e tecer críticas ao Estado.; This project has as objective to motivate the fighting against children mortality, on the part of the governmen power, family, community and society in general, and to show the combat ways are quite simple and they a reachable to everyone, however there is a government investment lack. For in such a way, it was necessary the appreciation of the Human Being Dignity Principle, carrying out a study of this concept...

‣ Infância silenciada: a mortalidade infantil nas vilas operárias mineiras de criciúma (1945-1960)

Cunha, Priscila Souza da Silva
Fonte: Universidade do Extremo Sul Catarinense Publicador: Universidade do Extremo Sul Catarinense
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso - TCC
Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Licenciado e Bacharel no curso de História da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC.; Esse estudo aborda o problema da mortalidade infantil em vilas operárias mineiras, na cidade de Criciúma entre os anos de 1945 a 1960. O objetivo do trabalho é oferecer visibilidade as condições sociais que implicaram nas altas taxas de mortalidade infantil no período focado, bem como, as medidas implementadas pela Medicina Social para sua erradicação. Para alcançar os objetivos a metodologia utilizada foi a pesquisa documental, a consulta em entrevistas realizadas por outros estudiosos e alguns depoimentos coletados pela autora desse TCC. Como principais categorias de análises foram utilizadas os conceitos de Vila Operária e Medicina Social. Percebe-se nesse estudo a interferência dos médicos, juntamente com alguns programas sociais, para erradicar o problema da mortalidade infantil. Percebe-se a preocupação das autoridades, pois os elevados indicies de mortalidade infantil implicavam no reconhecimento da cidade como uma cidade moderna.

‣ Mortalidade infantil e baixo peso ao nascer em cidades do Nordeste e Sudeste, Brasil; Infant mortality and low birth weight in cities of Northeastern and Southeastern Brazil

Silva, Antônio Augusto Moura da; Bettiol, Heloísa; Barbieri, Marco Antônio; Ribeiro, Valdinar Sousa; Aragão, Vânia Maria de Farias; Brito, Luiz Gustavo Oliveira; Pereira, Márcio Mendes
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Comparar as estimativas das taxas de baixo peso ao nascer, prematuridade, pequeno para a idade gestacional e mortalidade infantil em duas coortes de nascimento no Brasil. MÉTODOS: As duas coortes foram realizadas na década de 90 em São Luís, localizada em uma região menos desenvolvida, no Nordeste, e em Ribeirão Preto, situada em uma região mais desenvolvida, no Sudeste. Foram coletados dados de um terço dos nascidos vivos de Ribeirão Preto, SP, em 1994 (2.839 partos únicos); em São Luís, MA, foi realizada amostragem sistemática de partos estratificada por maternidade, no período de 1997/98 (2.439 partos únicos). Os testes do qui-quadrado (categórico e para tendências) e t de Student foram usados na análise estatística. RESULTADOS: A taxa de baixo peso ao nascer foi menor em São Luís, constituindo um paradoxo epidemiológico. As taxas de prematuridade foram semelhantes, quando se esperava percentual mais elevado em Ribeirão Preto, por sua relação direta com o baixo peso ao nascer. Observou-se dissociação entre baixo peso ao nascer e mortalidade infantil, pois São Luís apresentou menor baixo peso ao nascer e maior mortalidade infantil, ocorrendo o inverso em Ribeirão Preto. CONCLUSÕES: Maior prevalência de tabagismo materno e melhor acesso e qualidade da assistência perinatal promovendo intervenções médicas mais precoces (cesárea e prematuridade induzida) que resultam em maior número de nascidos vivos com baixo peso do que natimortos em Ribeirão Preto podem explicar estas discrepâncias. A dissociação ecológica observada entre baixo peso ao nascer e mortalidade infantil sugere que a taxa daquele não deve mais ser considerada sistematicamente como indicador de desenvolvimento social.; OBJECTIVE: To compare estimates of low birth weight (LBW)...

‣ Mortalidade infantil e condições sociodemográficas no Ceará, em 1991 e 2000; Infant mortality and sociodemographic conditions in Ceará, Brazil, 1991 and 2000

Bezerra Filho, José Gomes; Pontes, Lígia Regina Franco Sansigolo Kerr; Miná, Daniel de Lima; Barreto, Maurício Lima
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/12/2007 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Analisar os modelos explicativos ecológicos para a taxa de mortalidade infantil no Ceará, em dois períodos distintos. MÉTODOS: Estudo ecológico transversal de dois anos censitários, 1991 e 2000, a partir de informações desagregadas por municípios do Ceará. Foram utilizadas as estimativas da taxa de mortalidade infantil do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Para os demais indicadores foram utilizadas diferentes fontes do Sistema de Informação de Saúde. Os principais fatores de risco foram encontrados empregando-se regressão linear múltipla. RESULTADOS: Para 1991, as variáveis preditoras da mortalidade infantil (R2=0,3575) nos municípios foram: proporção de residências pequenas (beta=0,0043; ro=0,010), de pessoas que vivem em domicílios com água encanada (beta=-0,0029; ro=0,024), de crianças de dez a 14 anos que trabalham (beta=0,0049; ro=0,017), de alfabetizados (beta=-0,0062; ro=0,031), taxa de urbanização (beta=0,0032; ro=0,004), taxa de fecundidade total (beta=0,0351; ro=0,024), chefes de família com renda mensal menor que meio salário mínimo (beta=0,0056; ro=0,000). Em 2000, os possíveis determinantes (R2=0,3236) foram: proporção de crianças menores de dois anos desnutridas (beta=0...

‣ Mortalidade infantil e condições sociodemográficas no Ceará, em 1991 e 2000

Bezerra Filho,José Gomes; Pontes,Lígia Regina Franco Sansigolo Kerr; Miná,Daniel de Lima; Barreto,Maurício Lima
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2007 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Analisar os modelos explicativos ecológicos para a taxa de mortalidade infantil no Ceará, em dois períodos distintos. MÉTODOS: Estudo ecológico transversal de dois anos censitários, 1991 e 2000, a partir de informações desagregadas por municípios do Ceará. Foram utilizadas as estimativas da taxa de mortalidade infantil do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Para os demais indicadores foram utilizadas diferentes fontes do Sistema de Informação de Saúde. Os principais fatores de risco foram encontrados empregando-se regressão linear múltipla. RESULTADOS: Para 1991, as variáveis preditoras da mortalidade infantil (R2=0,3575) nos municípios foram: proporção de residências pequenas (beta=0,0043; ro=0,010), de pessoas que vivem em domicílios com água encanada (beta=-0,0029; ro=0,024), de crianças de dez a 14 anos que trabalham (beta=0,0049; ro=0,017), de alfabetizados (beta=-0,0062; ro=0,031), taxa de urbanização (beta=0,0032; ro=0,004), taxa de fecundidade total (beta=0,0351; ro=0,024), chefes de família com renda mensal menor que meio salário mínimo (beta=0,0056; ro=0,000). Em 2000, os possíveis determinantes (R2=0,3236) foram: proporção de crianças menores de dois anos desnutridas (beta=0...

‣ Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul

Geib,Lorena Teresinha Consalter; Fréu,Cheila Mara; Brandão,Marlise; Nunes,Magda Lahorgue
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 Português
Relevância na Pesquisa
68.226943%
Investigaram-se os determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil de coorte de base populacional com 2.331 nascidos vivos em Passo Fundo (RS) entre fevereiro de 2003 e janeiro de 2004, incluindo os 56 óbitos infantis. Os dados referentes aos óbitos foram acrescidos ao banco de dados da coorte de nascimento, que continha as variáveis sociais e biológicas obtidas nas declarações de nascidos vivos e em entrevistas domiciliares. O coeficiente de mortalidade infantil foi de 22,8%. Análises bivariadas e multivariada com regressão logística e modelo hierarquizado mostraram associados ao óbito infantil: escolaridade materna inferior a oito anos (RR= 5,7; IC 95%: 1,92- 16,75), antecedente de filhos mortos (RR= 3,7 (IC 95%: 1,07-12,10); baixo peso ao nascer, com RR= 6,7 (IC 95%: 2,07-21,65) a 79,7 (IC 95%:14,36-441,92) para nascidos de baixo peso e de muito baixo peso, respectivamente; escores de Apgar < 7 (RR=8,7; IC 95%: 2,85-26,32) e ausência de aleitamento materno (RR=15,75; IC 95%: 6,76-63,68). Por ser a mortalidade infantil determinada socialmente pela baixa escolaridade materna e biologicamente pelos antecedentes de filhos mortos, baixa vitalidade e baixo peso ao nascer, recomenda-se a inclusão desses fatores na classificação de risco para monitoramento da mortalidade infantil em Passo Fundo.

‣ Mortalidade infantil e acesso geográfico ao parto nos municípios brasileiros

Almeida,Wanessa da Silva de; Szwarcwald,Célia Landmann
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
OBJETIVO: Analisar o acesso geográfico ao parto hospitalar nos municípios brasileiros. MÉTODOS: Foram analisadas informações de óbitos e nascimentos quanto à sua adequação para o cálculo do coeficiente de mortalidade infantil no período de 2005 a 2007 para os 5.564 municípios brasileiros. O acesso geográfico foi expresso por indicadores de deslocamento, oferta e acesso aos serviços de saúde. A associação entre o acesso geográfico ao parto e o coeficiente de mortalidade infantil em municípios com adequação de suas informações vitais foi avaliada por meio de regressão múltipla. RESULTADOS: Dentre os municípios analisados, 56% apresentaram adequação das informações vitais, correspondendo a 72% da população brasileira. O deslocamento geográfico ao parto mostrou-se inversamente associado ao porte populacional, à renda per capita, e à mortalidade infantil, mesmo controlado por fatores demográficos e socioeconômicos. CONCLUSÕES: Embora tenham sido desenvolvidas estratégias importantes para a melhoria da qualidade do atendimento às gestantes no Brasil, as ações para garantir o acesso igualitário à assistência ao parto ainda são insuficientes. O maior deslocamento intermunicipal para o parto se mostrou como um fator de risco para a mortalidade infantil...

‣ Variáveis de impacto na queda da mortalidade infantil no Estado de São Paulo, Brasil, no período de 1998 a 2008

Lourenço,Eloisio do Carmo; Guerra,Luciane Miranda; Tuon,Rogerio Antonio; Vidal e Silva,Sandra Maria Cunha; Ambrosano,Glaucia Maria Bovi; Corrente,José Eduardo; Cortellazzi,Karine Laura; Vazquez,Fabiana de Lima; Meneghim,Marcelo de Castro; Pereira,Antoni
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2014 Português
Relevância na Pesquisa
68.189233%
Trata-se de estudo ecológico analítico, retrospectivo, composto pelos 645 municípios do Estado de São Paulo, cujo objetivo foi verificar a relação entre variáveis socioeconômicas, demográficas e modelo de atenção, em relação ao coeficiente de mortalidade infantil, no período de 1998 a 2008. Foi calculada a proporção de variação média anual para cada indicador por estrato de cobertura. A mortalidade infantil foi analisada segundo modelo de medidas repetidas no tempo, ajustado para as variáveis de correção: população do município, proporção de PSF implantado, proporção de PACS implantado, PIB per capita e IPRS (índice paulista de responsabilidade social). A análise foi realizada por modelos lineares generalizados, considerando a distribuição gama. Comparações múltiplas foram realizadas pela razão de verossimilhança com distribuição aproximada qui-quadrado, considerando-se nível de significância de 5%. Houve diminuição da mortalidade infantil no decorrer dos anos (p < 0,05), não havendo diferença significativa de 2004 a 2008 (p > 0,05). A proporção de PSF implantado (p < 0,0001) e o PIB per capita (p < 0,0001) foram significativos no modelo. A queda da mortalidade infantil no período analisado foi influenciada pelo crescimento do PIB per capita e pelo modelo Saúde da Família.

‣ Mortalidade infantil e condições de vida: a reprodução das desigualdades sociais em saúde na década de 90

Costa,Maria da Conceição Nascimento; Azi,Paula de Almeida; Paim,Jairnilson Silva; Silva,Lígia Maria Vieira da
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2001 Português
Relevância na Pesquisa
68.229307%
O estudo descreve a evolução da mortalidade infantil em Salvador, de 1991 a 1997, e analisa as desigualdades nestas mortes considerando-se sua distribuição espacial e um índice de condições de vida. Houve um declínio da mortalidade, passando as mortes neonatais e as causas perinatais a ter maior importância. Em 1992, o coeficiente de mortalidade infantil (CMI) aumentou 75%, e só em 1997 voltou aos patamares de 1991, fenômeno que os autores atribuíram à deterioração das condições de vida. A análise da distribuição espacial aponta para a manutenção das desigualdades sociais, sendo a educação a variável de maior correlação. A mortalidade infantil proporcional (MIP) e o CMI mostraram um crescimento linear a partir do estrato de elevada (5,3%) para o de muito baixa (13,3%), e do estrato de intermediária para o de muito baixa condições de vida (de 20,4‰ para 29,3‰), respectivamente. Conclui-se que, apesar da redução dos níveis da mortalidade infantil, são mantidas as desigualdades sociais em saúde, e que os processos sociais que comprometem as condições de vida continuam desempenhando um relevante papel na sua determinação.