Página 10 dos resultados de 1404 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

‣ A mortalidade infantil nos municípios da 18ª Coordenadoria Regional de Saúde

Famer, Maria Aparecida
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
A mortalidade infantil no Brasil, apesar de sua extraordinária redução desde 1990, ainda continua sendo um problema de saúde pública com elevado índice em torno de 20 mortes por 1000 nascidos vivos e com grandes disparidades de declínio entre as regiões apresentando as maiores taxas na região Norte e Nordeste e as menores taxa nas regiões sul e sudeste. Dentre as regiões, o Rio Grande do Sul apresenta a menor taxa de mortalidade de 12,1(2010). A morte em menores de 1 ano na 18ª Coordenadoria Regional de Saúde com sede em Osório na série temporal de 2000 a 2010 ficou com uma média de 12 ± 2 óbitos infantis por 1000 nascidos vivos. Usando o desvio padrão de -2 (2010)a taxa da CRS cai para 10 óbitos ficando num patamar aceitável pelo OMS .Esta média coloca a CRS como a terceira regional com menor taxa no RS.Os óbitos em menores de 1 ano predominam no componente neonatal (0 a 27 dias).As mortes em menores de um ano por grupo de causas evitáveis classificadas conforme a Portaria/MS nº 1.121 de 17/06/02 são predominantes as reduzíveis por ações de promoção, diagnóstico e tratamento responsável na média da série histórica de 2005 a 2010 por 52%.As mães dos bebês que foram a óbito apresentaram um perfil social e econômico de risco social.; Infant mortality in Brazil...

‣ Cobertura vacinal e mortalidade infantil em Campina Grande, PB, Brasil

França,Inacia Sátiro Xavier de; Simplício,Daniela da Nóbrega; Alves,Fabiana Paulino; Brito,Virgínia Rossana de Sousa
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2009 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
Estudo transversal para investigar cobertura vacinal e mortalidade de crianças menores de um ano de idade, identificar recursos, ações e dificuldades para alcançar meta vacinal. Participaram 2.206 crianças e 62 enfermeiros das Unidades Básicas de Saúde da Família. Utilizou-se formulário e entrevista semi-estruturada. Identificaram-se ações direcionadas à saúde da criança; dispersão entre o número de crianças cadastradas nas UBSF e o de nascidos vivos; oscilações dos percentuais de vacinação, ora aproximando-se da meta, ora afastando-se. A resistência dos pais a vacinação, falta de insumos e de ACS em algumas UBSF foram as principais barreiras enfrentadas para atingir a meta. O índice de mortalidade infantil ficou abaixo de 20, confirmando o impacto da cobertura vacinal.

‣ A mortalidade infantil em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, por área de abrangência dos Centros de Saúde (1994-1996)

Malta,Deborah Carvalho; Almeida,Maria Cristina de Mattos; Dias,Maria Angélica de Salles; Merhy,Emerson Elias
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
O trabalho pretende identificar os diferenciais intra-urbanos em Belo Horizonte, Brasil, estudando os coeficientes de mortalidade infantil (CMI) nas áreas do município e avaliando sua evolução no período 1994/1996. A análise das condições de saúde referenciadas territorialmente constitui importante campo de estudo para evidenciar desigualdades regionais e intra-urbanas. Para os anos de 1994 e 1996, foram utilizados os dados do SINASC e SIM, além de mapas temáticos com o recorte geográfico da "área de abrangência" dos Centros de Saúde. Aplicou-se o método Bayesiano empírico para o cálculo dos CMI dessas áreas, visando corrigir possíveis flutuações aleatórias decorrentes de números pequenos e instáveis. Em todo o período, houve redução do CMI global do município em 24,4%, assim como do CMI nas áreas de abrangência. Em 1994, oito áreas apresentaram CMI acima de 50/1.000 e, em 1996, nenhuma área foi observada com esse coeficiente; em 1994, vinte e nove áreas mostraram CMI entre 35 a 50/1.000, caindo para quatro áreas em 1996; neste ano, registrou-se, em relação a 1994, maior número de áreas com CMI abaixo de 35/1.000. Em 1996 existiu maior homogeneidade na distribuição dos CMI, reduzindo-se as desigualdades intra-urbanas.

‣ Distribuição espacial da taxa de mortalidade infantil e principais determinantes no Ceará, Brasil, no período 2000-2002

Bezerra Filho,José Gomes; Kerr,Lígia Regina Franco Sansigolo; Miná,Daniel de Lima; Barreto,Maurício Lima
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2007 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
A distribuição geográfica dos agravos à saúde e sua relação com potenciais fatores de risco vêm abrindo um vasto campo para a investigação epidemiológica. O presente estudo visa a identificar padrões de distribuição espacial dos componentes neonatal (TMIN) e pós-neonatal (TMIP) da taxa de mortalidade infantil (TMI) dos municípios do Ceará, Brasil, e discute os principais fatores sócio-econômicos, demográficos e de atenção à saúde que contribuíram para dependência espacial destes componentes. Trata-se de um estudo ecológico transversal, utilizando regressão linear múltipla, cuja análise espacial desses componentes foi obtida através do índice de Moran. Conclui-se que as condições de assistência à gravidez, ao parto e ao recém-nascido somadas a uma melhor distribuição de renda são decisivas para a sobrevivência no primeiro mês de vida, enquanto que a má alimentação, imunização, saneamento, educação e situação econômica são possíveis determinantes da mortalidade pós-neonatal. Reconhece-se a importância que as ações de atenção seletiva à saúde exercem para o declínio da TMI. No entanto, mudanças estruturais e intersetoriais são as que irão gerar a sustentabilidade necessária para levar esse indicador ao nível dos países desenvolvidos.

‣ Utilização da modelagem inteiramente bayesiana na detecção de padrões de variação de risco relativo de mortalidade infantil no Rio Grande do Sul, Brasil

Kato,Sérgio Kakuta; Vieira,Diego de Matos; Fachel,Jandyra Maria Guimarães
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2009 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Neste artigo são analisados os fatores possivelmente associados à mortalidade infantil nos 496 municípios do Rio Grande do Sul, Brasil, com base em dados acumuladas entre os anos de 2001 a 2004, obtidos pela análise de regressão utilizando modelagem inteiramente bayesiana como alternativa para superar a autocorrelação espacial e a instabilidade dos estimadores clássicos, como a taxa bruta e a SMR (Standardised Mortality Ratio). Foram comparadas diferentes especificações de componente espacial e covariáveis, provenientes dos blocos do Índice de Desenvolvimento Sócio-econômico da Fundação de Economia e Estatística (IDESE/FEE-2003). Verificou-se que o modelo que utiliza a estrutura espacial além da covariável educação apresenta melhor desempenho, quando comparado pelo critério DIC (Deviance Information Criterion). Comparando as estimativas das SMR com os riscos relativos obtidos pela modelagem inteiramente bayesiana, foi possível observar um ganho substancial na interpretação e na detecção de padrões de variação do risco de mortalidade infantil nos municípios do Rio Grande do Sul ao utilizar essa modelagem. A região da Serra Gaúcha destacou-se com baixo risco relativo e estimativas muito homogêneas.

‣ Múltiplos olhares sobre a mortalidade infantil no Ceará, Brasil

Sousa,José Roberto Pereira de; Nations,Marilyn
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 Português
Relevância na Pesquisa
67.904644%
Esta pesquisa qualitativa investiga as percepções de diversos atores sociais sobre a mortalidade infantil e o programa para sua redução no Ceará, Nordeste brasileiro. Analisam-se dois municípios que tiveram entre 1993 e 1997 comportamento oposto em relação a este indicador de saúde época em que o estado se destaca internacionalmente pela redução das mortes infantis. Através de 48 entrevistas semiestruturadas com quatro grupos de informantes-chave gestores, agentes comunitários de saúde, mães que perderam filho e vizinhas com filho na mesma faixa etária e análise de conteúdo, revela-se uma "multivocalidade" conflitante sobre a temática. Embora, a vontade política dos gestores de implantar as intervenções seja divergente entre os municípios, as diferenças nas percepções acerca da morte infantil são mais marcantes entre os grupos de atores, independentemente do município. Observa-se uma prática educativa autoritária que prejudica a aceitação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde. É preciso políticas públicas que dêem voz às pessoas próximas da experiência da morte infantil.

‣ Mortalidade infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, 2005: comparação entre o cálculo direto e após o linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis

Morais,Carlos Antônio Maciel de; Takano,Olga Akiko; Souza,Jonathan dos Santos Feroldi e
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
O objetivo deste estudo foi avaliar a Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) pela utilização do método de linkage entre o banco de dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) e sobre mortalidade (SIM) e compará-la com a encontrada nos dados brutos fornecidos pelas mesmas bases de dados. Foi utilizado o SINASC contendo 9.590 Declarações de Nascidos Vivos (DNV) entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2005 e o SIM com 156 Declarações de Óbitos (DO) relativas à população estudada. Dos 156 óbitos relativos ao ano de 2005 foram pareados pelo método direto 126 (80,8%) e pelo método de busca manual 11 (7%), totalizando um total de 137 óbitos (87,8%). As taxas encontradas com o método de linkage permitiram estimar a real TMI (14,2 óbitos/1.000 nascidos vivos) e a de seus componentes. A TMI encontrada pelo uso do método de linkage foi 17,3% menor que a calculada peça utilização dos registros brutos do SIM, permanecendo o componente neonatal precoce (7,2 óbitos/1.000 nascidos vivos) como o principal responsável pelos óbitos no primeiro ano de vida (50,4%).

‣ Fatores de risco para mortalidade infantil em município do Nordeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis - 2000 a 2002

Silva,Cristiana Ferreira da; Leite,Álvaro Jorge Madeiro; Almeida,Nádia Maria Girão Saraiva de; Gondim,Rogério Costa
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2006 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
OBJETIVO: Analisar fatores de risco para a morte de crianças menores de um ano de idade, do município de Maracanaú, Estado do Ceará, entre os anos de 2000 e 2002, através de linkage das informações do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos e Sistema de Informação sobre Mortalidade. MÉTODOS: Coorte retrospectiva de 11.127 nascimentos vivos com declaração de nascido vivo preenchida, ocorridos entre 01/01/2000 e 31/12/2002 e 119 óbitos infantis relacionados a essa coorte de nascidos vivos, com declaração de óbito ou instrumento de investigação de óbito infantil preenchidos, ocorridos entre 01/01/2000 e 31/12/2003. Os fatores de risco para a mortalidade infantil foram estimados utilizando-se as análises bivariada e multivariada através da regressão logística. RESULTADOS: Foram encontradas odds ratio (OR) estatisticamente significativas para nascidos vivos com baixo peso ao nascer (OR=3,16; IC95% 1,58-6,35), nascidos vivos prematuros (OR=2,70 ; IC95% 1,25-5,86), nascidos vivos de mães com consultas pré-natal igual ou menores a 6 (OR=2,05; IC95% 1,15-3,64) e nascidos vivos cujo escore de Apgar no primeiro (OR=4,40 IC95% 2,48-7,81) e quinto (OR=5,5; IC95% 2,75-11,20) minutos de vida foram inferiores a sete. CONCLUSÕES: Esse estudo possibilitou o uso das bases de dados de nascimentos e óbitos...

‣ A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras

Maia,Lívia Teixeira de Souza; Souza,Wayner Vieira de; Mendes,Antonio da Cruz Gouveia
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2015 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Objetivos: analisar a contribuição do linkage entre o Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM) e o Sistema de informações sobre nascidos vivos (SINASC) para a melhoria da qualidade dos dados de mortalidade infantil (MI) em cinco cidades, sendo uma de cada macrorregião brasileira. Métodos: analisaram­se os óbitos de menores de um ano registrados no SIM em 2005 e os nascidos vivos em 2004 e 2005 contidos no SINASC. As bases de dados foram relacionadas através do linkage. Verificou­se a associação estatística entre o relacionamento dos dados e as cidades e os componentes da MI, bem como o percentual de incompletude dasvariáveis antes e após o linkage. Resultados: 90% dos óbitos foram relacionados à declaração de nascido vivo, sendo as cidades de Belém e Goiânia onde se obteve a menor proporção de registros pareados. Porto Alegre apresentou maior percentual de pares, seguida de Guarulhos e Recife. Verificou­se uma influência significativa entre a cidade da criança e o componente do óbito na qualidade da informação. Dos 2464 campos incompletos para as variáveis comuns aos sistemas...

‣ A mortalidade infantil no estado da Bahia, Brasil

Araújo,José Duarte de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/1973 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Dentro das limitações impostas pelo sistema de coleta de dados de estatística vital em nosso meio foram apresentadas as taxas de mortalidade infantil para Salvador, onde vem se observando acentuado declínio, o qual decorre em grande parte da ampliação do sistema de abastecimento d'água à Capital. No interior há falta de dados mais precisos, sendo que mais de um terço dos óbitos ocorre sem assistência médica; predominam ali como causa de morte as doenças infecciosas e parasitárias. Conclui-se que a mortalidade infantil na Bahia está estreitamente ligada às condições ambientais e ao nível sócio-econômico das populações.

‣ A mortalidade infantil no estado da Bahia, Brasil; Infant mortality in the State of Bahia, Brazil

Araújo, José Duarte de
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 01/03/1973 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Dentro das limitações impostas pelo sistema de coleta de dados de estatística vital em nosso meio foram apresentadas as taxas de mortalidade infantil para Salvador, onde vem se observando acentuado declínio, o qual decorre em grande parte da ampliação do sistema de abastecimento d'água à Capital. No interior há falta de dados mais precisos, sendo que mais de um terço dos óbitos ocorre sem assistência médica; predominam ali como causa de morte as doenças infecciosas e parasitárias. Conclui-se que a mortalidade infantil na Bahia está estreitamente ligada às condições ambientais e ao nível sócio-econômico das populações.; Within the limits of the system of collection of vital statistics in our milieu were presented Infant Mortality Rates for Salvador, there a steady decline is taking place, presumably due to improved water supply to the Capital of the State. Data in the interior of Bahia are unreliable since more than a third of infant deaths occur without medical care. There, the infections diseases are the leading cause of death. It is concluded that infant mortality in Bahia is closely related to the environmental conditions and to the socio-economic level of the population.

‣ A recente história da mortalidade infantil e juvenil dos Ciganos e Calé de Espanha (1871-2007): Fontes de dados, problemas metodológicos e resultados preliminares

Gamella,Juan F.; Carrasco-Muñoz,Elisa Martín; Quesada Garrido,Alejandro
Fonte: Faculdade de Letras da Universidade do Porto Publicador: Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
Provavelmente a mudança mais importante vivida pelo povo Gitano em Espanha na sua história recente tenha sido o rápido declínio nos padrões de mortalidade infantil, que teve lugar na segunda metade do século XX. Há, porém, uma ausência quase completa de dados, estudos e modelos sobre este processo. Os dados são difíceis de obter, como a filiação étnica que geralmente não é registrada nas paróquias ou no Registo Civil, e na maioria dos casos também é difícil apurar qual a população cigana global residente. Neste artigo descrevemos os métodos que mobilizamos para superar esses problemas através de uma reconstituição genealógica e familiar da população cigana de 22 localidades contíguas da província de Granada, o que inclui dados sobre mais de 19.000 pessoas. A partir desta base de dados produzimos séries de tempos anuais que espelham um modelo diferenciado de declínio de mortalidade ocorrido entre 1950 e 1975

‣ Fatores de risco para mortalidade infantil em município do Nordeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis - 2000 a 2002

Silva,Cristiana Ferreira da; Leite,Álvaro Jorge Madeiro; Almeida,Nádia Maria Girão Saraiva de; Gondim,Rogério Costa
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2006 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
OBJETIVO: Analisar fatores de risco para a morte de crianças menores de um ano de idade, do município de Maracanaú, Estado do Ceará, entre os anos de 2000 e 2002, através de linkage das informações do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos e Sistema de Informação sobre Mortalidade. MÉTODOS: Coorte retrospectiva de 11.127 nascimentos vivos com declaração de nascido vivo preenchida, ocorridos entre 01/01/2000 e 31/12/2002 e 119 óbitos infantis relacionados a essa coorte de nascidos vivos, com declaração de óbito ou instrumento de investigação de óbito infantil preenchidos, ocorridos entre 01/01/2000 e 31/12/2003. Os fatores de risco para a mortalidade infantil foram estimados utilizando-se as análises bivariada e multivariada através da regressão logística. RESULTADOS: Foram encontradas odds ratio (OR) estatisticamente significativas para nascidos vivos com baixo peso ao nascer (OR=3,16; IC95% 1,58-6,35), nascidos vivos prematuros (OR=2,70 ; IC95% 1,25-5,86), nascidos vivos de mães com consultas pré-natal igual ou menores a 6 (OR=2,05; IC95% 1,15-3,64) e nascidos vivos cujo escore de Apgar no primeiro (OR=4,40 IC95% 2,48-7,81) e quinto (OR=5,5; IC95% 2,75-11,20) minutos de vida foram inferiores a sete. CONCLUSÕES: Esse estudo possibilitou o uso das bases de dados de nascimentos e óbitos...

‣ A mortalidade infantil em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, por área de abrangência dos Centros de Saúde (1994-1996)

Malta,Deborah Carvalho; Almeida,Maria Cristina de Mattos; Dias,Maria Angélica de Salles; Merhy,Emerson Elias
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
O trabalho pretende identificar os diferenciais intra-urbanos em Belo Horizonte, Brasil, estudando os coeficientes de mortalidade infantil (CMI) nas áreas do município e avaliando sua evolução no período 1994/1996. A análise das condições de saúde referenciadas territorialmente constitui importante campo de estudo para evidenciar desigualdades regionais e intra-urbanas. Para os anos de 1994 e 1996, foram utilizados os dados do SINASC e SIM, além de mapas temáticos com o recorte geográfico da "área de abrangência" dos Centros de Saúde. Aplicou-se o método Bayesiano empírico para o cálculo dos CMI dessas áreas, visando corrigir possíveis flutuações aleatórias decorrentes de números pequenos e instáveis. Em todo o período, houve redução do CMI global do município em 24,4%, assim como do CMI nas áreas de abrangência. Em 1994, oito áreas apresentaram CMI acima de 50/1.000 e, em 1996, nenhuma área foi observada com esse coeficiente; em 1994, vinte e nove áreas mostraram CMI entre 35 a 50/1.000, caindo para quatro áreas em 1996; neste ano, registrou-se, em relação a 1994, maior número de áreas com CMI abaixo de 35/1.000. Em 1996 existiu maior homogeneidade na distribuição dos CMI, reduzindo-se as desigualdades intra-urbanas.

‣ Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: revisão da literatura sobre a última década

Duarte,Cristina Maria Rabelais
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2007 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
A mortalidade infantil tem sido considerada um bom indicador das condições de vida. É simples de ser calculada e reflete o estado de saúde da parcela mais vulnerável da população: os menores de um ano. A divulgação de dados oficiais que estimaram uma queda de 31% no indicador pareceu surpreendente num contexto de deterioração dos níveis de crescimento econômico, renda e trabalho e do aumento da taxa de desemprego. Entretanto, a década foi marcada por decisões políticas importantes, especialmente a implantação da Estratégia de Saúde da Família e dos incentivos da NOB-96. Este estudo objetivou avaliar como a literatura nacional analisou o comportamento da mortalidade infantil na década e sua possível associação com as mudanças na organização e financiamento do SUS. Foi realizada uma revisão sistemática de artigos científicos publicados entre 1998 e 2006. Concluiu-se que os estudos produzidos até o momento não possibilitam avaliar com clareza o possível impacto das alterações produzidas na organização e financiamento do SUS. Ficou evidente a necessidade de monitoramento do indicador e a importância dos estudos locais, especialmente nos municípios com informações incipientes.

‣ Múltiplos olhares sobre a mortalidade infantil no Ceará, Brasil

Sousa,José Roberto Pereira de; Nations,Marilyn
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 Português
Relevância na Pesquisa
67.904644%
Esta pesquisa qualitativa investiga as percepções de diversos atores sociais sobre a mortalidade infantil e o programa para sua redução no Ceará, Nordeste brasileiro. Analisam-se dois municípios que tiveram entre 1993 e 1997 comportamento oposto em relação a este indicador de saúde época em que o estado se destaca internacionalmente pela redução das mortes infantis. Através de 48 entrevistas semiestruturadas com quatro grupos de informantes-chave gestores, agentes comunitários de saúde, mães que perderam filho e vizinhas com filho na mesma faixa etária e análise de conteúdo, revela-se uma "multivocalidade" conflitante sobre a temática. Embora, a vontade política dos gestores de implantar as intervenções seja divergente entre os municípios, as diferenças nas percepções acerca da morte infantil são mais marcantes entre os grupos de atores, independentemente do município. Observa-se uma prática educativa autoritária que prejudica a aceitação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde. É preciso políticas públicas que dêem voz às pessoas próximas da experiência da morte infantil.

‣ Mortalidade infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, 2005: comparação entre o cálculo direto e após o linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis

Morais,Carlos Antônio Maciel de; Takano,Olga Akiko; Souza,Jonathan dos Santos Feroldi e
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2011 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
O objetivo deste estudo foi avaliar a Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) pela utilização do método de linkage entre o banco de dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) e sobre mortalidade (SIM) e compará-la com a encontrada nos dados brutos fornecidos pelas mesmas bases de dados. Foi utilizado o SINASC contendo 9.590 Declarações de Nascidos Vivos (DNV) entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2005 e o SIM com 156 Declarações de Óbitos (DO) relativas à população estudada. Dos 156 óbitos relativos ao ano de 2005 foram pareados pelo método direto 126 (80,8%) e pelo método de busca manual 11 (7%), totalizando um total de 137 óbitos (87,8%). As taxas encontradas com o método de linkage permitiram estimar a real TMI (14,2 óbitos/1.000 nascidos vivos) e a de seus componentes. A TMI encontrada pelo uso do método de linkage foi 17,3% menor que a calculada peça utilização dos registros brutos do SIM, permanecendo o componente neonatal precoce (7,2 óbitos/1.000 nascidos vivos) como o principal responsável pelos óbitos no primeiro ano de vida (50,4%).

‣ A mortalidade infantil no estado da Bahia, Brasil

Araújo,José Duarte de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/1973 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Dentro das limitações impostas pelo sistema de coleta de dados de estatística vital em nosso meio foram apresentadas as taxas de mortalidade infantil para Salvador, onde vem se observando acentuado declínio, o qual decorre em grande parte da ampliação do sistema de abastecimento d'água à Capital. No interior há falta de dados mais precisos, sendo que mais de um terço dos óbitos ocorre sem assistência médica; predominam ali como causa de morte as doenças infecciosas e parasitárias. Conclui-se que a mortalidade infantil na Bahia está estreitamente ligada às condições ambientais e ao nível sócio-econômico das populações.

‣ Utilização da modelagem inteiramente bayesiana na detecção de padrões de variação de risco relativo de mortalidade infantil no Rio Grande do Sul, Brasil

Kato,Sérgio Kakuta; Vieira,Diego de Matos; Fachel,Jandyra Maria Guimarães
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2009 Português
Relevância na Pesquisa
67.943906%
Neste artigo são analisados os fatores possivelmente associados à mortalidade infantil nos 496 municípios do Rio Grande do Sul, Brasil, com base em dados acumuladas entre os anos de 2001 a 2004, obtidos pela análise de regressão utilizando modelagem inteiramente bayesiana como alternativa para superar a autocorrelação espacial e a instabilidade dos estimadores clássicos, como a taxa bruta e a SMR (Standardised Mortality Ratio). Foram comparadas diferentes especificações de componente espacial e covariáveis, provenientes dos blocos do Índice de Desenvolvimento Sócio-econômico da Fundação de Economia e Estatística (IDESE/FEE-2003). Verificou-se que o modelo que utiliza a estrutura espacial além da covariável educação apresenta melhor desempenho, quando comparado pelo critério DIC (Deviance Information Criterion). Comparando as estimativas das SMR com os riscos relativos obtidos pela modelagem inteiramente bayesiana, foi possível observar um ganho substancial na interpretação e na detecção de padrões de variação do risco de mortalidade infantil nos municípios do Rio Grande do Sul ao utilizar essa modelagem. A região da Serra Gaúcha destacou-se com baixo risco relativo e estimativas muito homogêneas.

‣ Distribuição espacial da taxa de mortalidade infantil e principais determinantes no Ceará, Brasil, no período 2000-2002

Bezerra Filho,José Gomes; Kerr,Lígia Regina Franco Sansigolo; Miná,Daniel de Lima; Barreto,Maurício Lima
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2007 Português
Relevância na Pesquisa
67.841953%
A distribuição geográfica dos agravos à saúde e sua relação com potenciais fatores de risco vêm abrindo um vasto campo para a investigação epidemiológica. O presente estudo visa a identificar padrões de distribuição espacial dos componentes neonatal (TMIN) e pós-neonatal (TMIP) da taxa de mortalidade infantil (TMI) dos municípios do Ceará, Brasil, e discute os principais fatores sócio-econômicos, demográficos e de atenção à saúde que contribuíram para dependência espacial destes componentes. Trata-se de um estudo ecológico transversal, utilizando regressão linear múltipla, cuja análise espacial desses componentes foi obtida através do índice de Moran. Conclui-se que as condições de assistência à gravidez, ao parto e ao recém-nascido somadas a uma melhor distribuição de renda são decisivas para a sobrevivência no primeiro mês de vida, enquanto que a má alimentação, imunização, saneamento, educação e situação econômica são possíveis determinantes da mortalidade pós-neonatal. Reconhece-se a importância que as ações de atenção seletiva à saúde exercem para o declínio da TMI. No entanto, mudanças estruturais e intersetoriais são as que irão gerar a sustentabilidade necessária para levar esse indicador ao nível dos países desenvolvidos.